24.5.07

Deleuze e as linhas que nos traçam

Na próxima terça tenho um teste de Filosofia da Educação... sobre isto mesmo e outras coisas :P Ora bem Deleuze defende que o ser humano é traçado por linhas que nos definem como tal! Linhas essas de 3 tipos, molares ou duras que são as que nos diferenciam dos outros, isto é, a nossa identidade pessoal, o facto de sermos ou homem ou mulher, branco ou preto, adulto ou criança... para além disso as linhas duras pertencem às pessoas que têm ideias fixas que permanecem nesse território sem se abrirem a novas ideias, são pessoas que têm muitas certezas e vivem em constante medo de as perderem! Já as linhas moleculares, são mais flexíveis, têm que ver com a capacidade que temos de por as nossas ideias fixas em causa por forma a melhora-las, porém nestas pessoa há a tendência para actuarem como justiceiras e "donas da verdade", como querem fazer justiça em tudo o que as rodeia...há um fascismo (um controlo das ideias de todos) que acusam vir de fora quando na verdade são eles próprios que o exercem. Estas duas linhas têm como igual perigo o perigo do poder, isto é, como se sentem "donas da verdade" tendem a achar-se mais poderosas que o que são e a impor mais que o que devem. A 3a linha é a linha de fuga, esta linha pauta-se pela desterritorialização total, isto é, é o mais criativo dentro de nós que está em cima, não se tem tantas certezas mas há liberdade de criação dessas certezas, moldando-se. Tem como perigo fundamental o desânimo total, como são pessoas livres são capazes tanto do melhor (sendo mais criativas) ou do pior (como há maior visão das coisas, uma visão mais aberta, podem cair no desgosto do que vêm e até cometer suicídio) esta 3a linha aplica-se muito a grandes escritores ou artistas. Estas linhas conduzem-nos para as linhas do desejo que se tratam de compreender se somos ou não capazes de criar uma linha de fuga dentro de nós..já que muitas dessas linhas nos foram impostas mesmo que inconscientemente pela sociedade desde pequeninos. Deleuze entende então, que temos que ser capazes de construir as nossas linhas de desejo para que possamos vaguear nas linhas que nos moldam. E para tal, será necessário uma "crítica e clínica" isto é, sermos capazes de analisar o que se passa connosco de bom e de mau e passar a um tratamento por forma a construirmos o nosso desejo!


Nós não somos só matéria, somos todo um conjunto de matéria com aquelas "coisas" abstractas a que chamam "mente humana", uma complexidade que vai muito para além do físico!
E tu? Quais são as linhas que traças em ti?

2 comments:

Sofia said...

Moleculares. E odeio pessoal com ideias fixas de mais... AAARGGH!

João Miguel Pereira said...

Eu sou duro com tendência também para a fuga :P

Tu: molecular.. :P